Temos que aproveitar o vigor das manifestações para produzir mais mudanças, afirma Dilma

 

 

A presidenta Dilma Rousseff afirmou, nesta sexta-feira (21), que o vigor das manifestações deve ser aproveitado para que mais mudanças sejam feitas em benefício da população. Dilma anunciou, em pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV, que vai convidar os governadores e prefeitos das principais cidades do país para um grande pacto em torno da melhoria dos serviços públicos.

“O foco será: primeiro, a elaboração do Plano Nacional de Mobilidade Urbana, que privilegie o transporte coletivo. Segundo, a destinação de 100% do petróleo para a educação. Terceiro, trazer de imediato milhares de médicos do exterior para ampliar o atendimento do SUS”, anunciou Dilma, que ainda afirmou que ainda vai receber os líderes das manifestações pacíficas, de entidades sindicais e dos movimentos de trabalhadores.

Para Dilma, é necessário oxigenar o “velho sistema político”, e encontrar mecanismos que tornem as instituições mais transparentes, resistentes aos malfeitos e permeáveis à influência da sociedade. Ela ainda reforçou que é um equívoco achar que qualquer país pode prescindir de partidos e do voto popular, que, segundo ela, é a base de qualquer processo democrático.

“Temos de fazer um esforço para que o cidadão tenha mecanismos de controle mais abrangentes sobre os seus representantes. Precisamos muito, mas muito mesmo, de formas mais eficazes de combate à corrupção. A Lei de Acesso à Informação, sancionada no meu governo, deve ser ampliada para todos poderes da república e instâncias federativas”, destacou.

Copa

Sobre a disputa da Copa do Mundo, a presidenta Dilma destacou que o dinheiro investido na construção das arenas são fruto de financiamento, que serão pagos pelos proprietários ou pelas empresas que vão operar os estádios. Ela ainda pediu que os atletas e turistas que estão no país para Copa das Confederações sejam bem recebidos, assim como os jogadores brasileiros foram quando disputaram competições em outros países.

“Jamais permitiria que esses recursos saíssem do orçamento público federal, prejudicando setores prioritários como a Saúde e a Educação. Na realidade, nós ampliamos bastante os gastos com Saúde e Educação. E vamos ampliar cada vez mais. Confio que o Congresso nacional aprovará o projeto que apresentei para que todos os royalties do petróleo sejam gastos exclusivamente com a Educação”, reforçou.

Noroeste Paulista – II Conferencia Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável e Solidário.

Foi realizada em Jales, dia 13 de junho, com a participação de 26 cidades que compõe o Território Noroeste Paulista, a etapa regional da II Conferência Nacional.

O Setorial Agrário do PT de São Francisco esteve presente, representado pelo Secretário Municipal de Agricultura, Indústria, Comércio e Meio Ambiente, Nairço Soares e pelo Coordenador Regional do Setorial Agrário da EPS/PT – Esquerda Popular Socialista, Arnaldo Murilo Silva Pohl.

Mesa de Abertura da Conferencia do Território Noroeste Paulista

Mesa de Abertura da Conferencia do Território Noroeste Paulista

Os debates aconteceram durante todo o dia.

Os delegados formaram grupos de debate para a elaboração de propostas regionais

Os delegados formaram grupos de debate para a elaboração de propostas regionais

Depois de aprovadas as propostas na Plenária Final aconteceu a eleição dos Delegados do Território Noroeste Paulista à Conferência Estadual.

A representatividade territorial foi expressa pela ampla participação

A representatividade territorial foi expressa pela ampla participação

Os delegados foram eleitos.

Os delegados eleitos para a Conferencia Estadual

Os delegados eleitos para a Conferencia Estadual

Noroeste Paulista – Votuporanga. Scamatti levou 16 milhões da Prefeitura dos tucanos

DEMOP VOTUPORANGA O JORNAL

Prefeito diz que nunca negou os contratos com as empresas de Scamatti

Além dos R$ 11.683.622 contratados por Marão junto a Demop, ele também pagou R$ 4.795.274 à Scamatti & Seller no mesmo período

Durante o primeiro mandato do prefeito Júnior Marão a empresa Sacamatti & Seller realizaram obras para a prefeitura num total de R$ 4.795.274 para pavimentação asfáltica, recapeamento e recuperação de ruas.

Entre as empresas Scamatti & Seller e a DEMOP a prefeitura pagou em quatro anos R$ 16.478.896.

Em nota enviada ao jornal no final da tarde de ontem, a assessoria do prefeito afirma que em nenhum momento ele negou que a Demop Participações Ltda. venceu licitações em Votuporanga e executou as obras.

A nota da assessoria diz que a interpretação de que ele (o prefeito) não contratou a Demop é fantasiosa e estranha essa interpretação (do Jornal).

A matéria da página A3 de ontem, que revelou os contratos e os preços, não afirmou, em nenhum momento, que o prefeito tenha negado os contratos.

A assessoria também lembra que o próprio O Jornal já havia noticiado que a Demop fez as obras e que foram contratadas dentro do processo legal. Lembra um e-mail, de 2 de maio, onde a assessoria informa sobre os contratos.

A nota diz que a única obra feita pelo grupo Sacamatti & Seller é a do conjunto habitacional Boa Vista, do programa Minha Casa Minha Vida, e que ela não é objeto de investigação do MP. Essa informação foi dada ontem pelo o Jornal.

Por outro lado, as principais informações que O Jornal pede, são técnicas, e a assessoria de imprensa da prefeitura se nega a fornecê-las, insistindo que as respostas serão dadas após protocolo de ofício no Expediente, com prazo previsto em Lei para oferecer a resposta.

Segue abaixo a relação das perguntas:

1 – Quantos metros quadrados de asfalto, recape e correções que o prefeito contratou em seu governo (primeiro e segundo mandatos)?

2 – Quantas obras foram feitas pelos grupos do senhor Scamatti na prefeitura (quantos contratos ele assinou) no governo do atual prefeito?

3 – Qual o preço do metro quadrado de recape pago pela atual administração?

4 – Por que ele não revelou na semana passada, quando perguntado, que tinha realizado contratos com a DEMOP no governo passado?

5 – Em quais bairros essas obras foram feitas?

6 – No governo do prefeito Pignatari, qual foi o preço do metro quadrado do asfalto e de recape pagos pela prefeitura?

7 – No governo do senhor Marão, qual foi o preço do metro quadrado pago por recape e asfaltamento pela prefeitura?

8 – Quais eram os membros da Comissão de Licitação no governo Carlão Pignatari, quando eles deixaram a Comissão, quais são os novos ocupantes e quando eles assumiram (datas)?

9 – No primeiro mandato, o prefeito contratou quase R$ 12 milhões para melhoria das vias públicas do Grupo Scamatti. Ele cancelou alguma licitação em que o grupo Scamatti não venceu? Qual ou quais?

10 – Em caso positivo, após o cancelamento e novo processo licitatório, quem venceu a obra (ou quais empreiteiras venceram) a obra?

Nota da prefeitura na íntegra enviada pela assessoria de comunicação da prefeitura

A Prefeitura de Votuporanga esclarece que o prefeito não negou que a Demop Participações Ltda. venceu licitações em Votuporanga e executou obras. Em NENHUM MOMENTO o prefeito disse isso, muito menos, na entrevista concedida por e-mail, na sexta-feira (30/5). É fantasiosa e estranha essa interpretação.

O próprio O Jornal publicou em outras oportunidades que Demop executou obras nos últimos anos em Votuporanga. Em diversas entrevistas na imprensa, o prefeito afirmou isso, sempre ressaltando, que a empresa venceu os processos licitatórios públicos e transparentes, que as obras foram muito bem executadas e entregues e não havia qualquer irregularidade.

Nota encaminhada pela ASCOM da Prefeitura para o próprio O Jornal, no dia 2 de maio de 2013, às 17h45, afirma isso:

“Todos os contratos firmados com as empresas do Grupo Scamatti na administração do prefeito Junior Marão, bem como qualquer outra empresa, não possuem nenhuma irregularidade, pois cumpriram todos os procedimentos legais e com toda a transparência possível. Prova disso, é que todos foram aprovados pelo Tribunal de Contas, órgão responsável pela fiscalização dos gastos”.

Mais, o prefeito não disse que a “relação de seu governo com a Demop Participações se deu apenas no contrato Minha Casa, Minha Vida”, como publicado hoje em coluna assinada, na Página 3. Há de ressaltar, que o contrato para construção de 330 casas é com a empresa Scamatti e Seller e, mais uma vez informamos, que não é alvo de investigações. A denúncia foi arquivada pelo Ministério Público, pois não apresentou indícios de irregularidades. No momento, este é o único contrato em vigor com as empresas investigadas pelo MP. Essa mesma informação foi esclarecida ontem, em e-mail enviado ao O Jornal e seu recebimento confirmado pelo jornalista, mas, mesmo assim, a coluna publicou essa informação inverídica.

Os questionamentos 1, 2, 3, 5, 6, 7, 8, 9 e 10 são técnicos, que necessitam de um levantamento prévio junto aos setores competentes e isso exige certo tempo, até para que não seja encaminhada nenhuma informação errada. Por isso solicitamos que os questionamentos sejam protocolados na Central de Atendimento para oficializar o pedido e, assim, os setores possam fazer o levantamento. A Prefeitura, portanto, ainda aguarda esse protocolo. Assim que fazê-lo, os dados serão informados dentro dos prazos estabelecidos em Lei. Toda informação é pública e todos os cidadãos têm direitos iguais. O procedimento é este para todos.